A história da minha aprovação na OAB

Minha história começa em 2010, mais ou menos 15 dias antes de o Exame de Ordem 2010.1 acontecer.

Entra em minha sala de aula da faculdade o vice-presidente da OAB/MS noticiando que os alunos do então 9º semestre poderima fazer o aclamado Exame de Ordem.

Fiquei animado e pensei que seria uma boa oportunidade e uma ótima possibilidade. Então, fiz um curso chamado “Reta Final” da Rede LFG, específico para OAB. O curso durou 10 dias e, com este conhecimento, fiz o exame. Obviamente que, nestes 10 dias, eu não existia – estudei muito.

No fim das contas, não passei nem da 1ª fase. Neste, fiquei com 47 pontos. Sem desânimo, continuei a labuta.

Veio, então, a oportunidade de fazer o Exame de Ordem pela segunda vez: o Exame de Ordem 2010.2.

Eu e mais um grupo pequeno de amigos botamos na cabeça que queríamos passar no Exame e, para tanto, começamos a fazer o curso “Modular OAB I e II”, também da Rede LFG de Ensino.

Estudei feito condenado. Eu não tinha finais de semana, dias de folga. Tinha apenas uma cadeira, uma mesa e uma janela, onde eu via o dia nascer e ir embora sem que eu saísse daquele lugar. Era uma clausura. Com muito esforço, técnicas de repetição, músicas jurídicas (do Prof. Flavio Martins e do Mazza), discussões sobre a matéria até quando tomava sorvete (sim, isso é bem verdade), consegui obter um bom conhecimento e fui para a 1ª fase daquele Exame. Os professores, com certeza, também contaram muito. As aulas no LFG eram simplesmente excelentes! Trabalho e Processo do Trabalho, por exemplo, matérias que eu nunca me dei bem, no cursinho do LFG, eu aprendi a gostar delas, graças aos professores André e Leoni. Isso sem falar nos outros: Gustavo Junqueira, Patrícia Vanzolini, Guilherme Madeira, Renato Montans, Flavio Martins, Mazza, Sabbag, João e sua trupe de civilistas, enfim, todos de todas as matérias – excelentes.

Com receio, fiz a prova achando que não ia bem, ou seja, que viria uma nova reprovação. Mas era aquele receio normal até, pois eu sabia que havia estudado muito mesmo.

Fui surpreendido pelo resultado. 62 pontos! Nota excelentes (pelo menos para mim)! Fiquei animado para a 2ª fase.

Entrei em um cursinho super conceituado – presencial – de Direito Penal, aqui de Campo Grande – MS. Estudei muito, mas o muito que eu estudei não foi suficiente. Acredito que faltou conteúdo, sinceramente, hoje eu vejo.

Todos os meus amigos passaram (os que eram do meu grupo de estudo). Fiquei mal, afinal, eu havia estudado também. Meu mundo desabou! Não conseguia encaixar na cabeça que meu nome não estava no edital. Tirei 4 vírgula alguma coisa, nem lembro. A nota foi péssima.

Depois, a outra (e última) oportunidade: Exame de Ordem 2010.3.

Agora a minha luta era mais sozinha do que nunca. Eu não tinha grupo de estudo e, enquanto meus amigos que estudaram comigo preparavam os papéis para adentrar nos quadros da OAB, eu ensaiava meus estudos. Estava cansado daquilo tudo, não queria mais. O desânimo era total.

O meu estudo dessa 1ª fase foi sem cursinho. Isso foi dica do grande professor Renato Montans que falou comigo pelo Facebook e me disse que, com a experiência anterior, eu não precisaria fazer novamente o cursinho para a 1ª fase.

No fim das contas, fui estudar mesmo, de fato, assim como estudara para o Exame anterior, apenas duas semanas antes da prova. Estudei com o material que tinha do LFG e fui para a prova com a cara e com a coragem medo.

Estava com um medo tremendo – medo mesmo, pois sabia que não tinha dado meu máximo. Saiu o resultado oficial: 52 pontos. Em cima da lata, como dizem por aqui. No Exame de Ordem, no entanto, a diferença entre 99 e 51 é nada, pois ambos estão aprovados para fazerem a 2ª fase.

Agora, com experiência que havia tido no último Exame, resolvi fazer o cursinho de 2ª fase na Rede LFG. Afinal, o bom filho a casa torna. Lembrando que escolhi fazer em Direito Penal.

Lá, conheci uma equipe incrível de pessoas que amam e dão o sangue pelo aluno: Patrícia Vanzolini, Guilherme Madeira, Gustavo Junqueira, Flavio Martins e PH.

Esses são os professores mais dedicados que já vi: revisões no twitter todas as noites feitas pelo Flavio Martins. Guilherme Madeira e Paty sempre dando apoio pelo microblog também e, claro, Gustavo Junqueira e PH com suas excelentes e apaixonantes aulas. O conteúdo passado é incrível, cheio de informações úteis para a prova. Eu garanto: vale a pena fazer cursinho no LFG, tanto da 1ª quanto da 2ª fase! Você com certeza será grato àqueles professores. 🙂

Bem, fui para a prova confiante: eu tinha conhecimento, afinal, com toda aquela equipe e com todas as intermináveis horas de estudo, eu sabia que eu sabia alguma coisa. Eu não achava que sabia, eu de fato sabia. Eu estudei ferrenhamente por um mês. Peguei coisa “pesada” em Direito Penal – Parte Geral: Código Penal Comentado do Nucci, além, é claro de estudar diariamente pelo caderno de aula. Em prática penal, o Livro da RT de 2ª fase de Penal que é elaborado pelos próprios professores da Rede LFG – excelente material que, inclusive, não te faz perder tempo em sala de aula e ajuda você a prestar mais atenção nas aulas.

Fiz a prova de forma muito tranquila. Eu estava realmente tranquilo. Achei a prova fácil. Sim, não tenho outra palavra para defini-la. E eu não digo isso com prepotência de como quem diz: “já passei e tô falando agora porque já estou garantido”. Não. Quem me conhece, e é próximo de mim, sabe que eu tinha achado a prova fácil, mas que, obviamente, eu não sabia se tinha passado.

Mas eu consegui achar a prova tranquila pois eu tinha um conhecimento muito bom da matéria e isso só aconteceu em virtude dos estudos e do esforço.

Hoje saiu o resultado. O meu nome estava na lista de aprovados. Eu gritei, eu chorei. E desta vez não foi o choro da derrota que eu já havia experimentado da última vez, foi o choro da vitória. O engraçado é que o choro da vitória é muito maior do que o da derrota. Isso é bom.

Aprendam algo: NUNCA DESISTAM de seus sonhos. A caminhada é árdua, mas depois que vem o resultado você saberá que as experiências ruins também foram boas para o seu crescimento. Principalmente você, que ainda precisa ser aprovado no Exame de Ordem para seguir o rumo da vida. Não é impossível. Ela se tornará possível quando você estudar muito e bem.

Eu agora posso ser advogado, se eu quiser. Vou querer, pelo menos por um tempo.

É um peso enorme que hoje saiu das minhas costas e que nunca mais irá voltar, não sob esta forma. É como tirar a CNH, literalmente, quase a mesma sensação. É como… é como vencer.

Isso tudo, no entanto, não seria possível, segundo o que eu creio, sem a força poderosa de Jesus Cristo em minha vida, que esteve comigo em meus momentos de angústia mais íntimos; sem meus familiares e namorada que, com todo amor, carinho e paciência conseguiram suportar minhas alterações de humor abruptas, muitas vezes, dando-me o conforto necessário para que eu pudesse estudar tranquilamente sem tantas preocupações; sem meus amigos, que me apoiaram desde o começo dos estudos, sempre acreditando na certeza da minha vitória em momentos que nem mesmo eu acreditava ser possível; sem meus professores, que com extrema dedicação e paixão souberam ensinar.

Só tenho a agradecer a Deus e a todo mundo que me acompanhou, de alguma forma, nesta fase da minha vida. Muito obrigado. 🙂

Do amigo,

Hugo.

Um abraço.

Anúncios

16 comentários sobre “A história da minha aprovação na OAB

  1. Daiane

    Parabéns Hugo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    É isso aí! Espero um dia passar tb, assim como vc e sentir essa felicidade todas inesplicavel, será um sonho realizado, estou no 5º semestre de Direito, e se Deus permitir um dia eu chega la!rs.Parabéns mais uma vez pq você merece, sucesso, na sua carreira profissional.
    Abraço.

    Att: Daiane B. Hasmann.

  2. Heberth Saraiva

    Parabéns Hugão, vi seu nome hj na lista de aprovados e acabei de ler seu relato acima! Parabéns de novo! vc merece!!! Mto sucesso!
    Só quem passou por isso sabe a emoção que é ver seu nome na lista!!!sem explicação!!! rsrsrsrs

    Abraços.

    Heberth Saraiva Sampaio

  3. Paula

    Olá Hugo! Faço cursinho da LFG e cheguei a ler seu depoimento através do post no twitter! Que Deus continue a abencoá-lo e muito! Obrigada pelo post! Isso nos fortalece e muito ( aqueles que ainda não passaram)!

    Bênçãos,
    Paula.

  4. Jordana

    OI Hugo…vc não sabe oq suas palavras fizeram comigo!! me fizeram chorar! Me formei em 2006…desde lá, fiz 4 exames, e só neste último passei na primeira fase. Fui p/ segunda e fiz Penal (assim como vc), mas… infelizmente não passei…não por culpa dos outros, mas por minha culpa mesmo…tô tentando voltar a ter vontade de retomar meus estudos, mas confesso q tem horas dá vontade de desistir de tudo (assim como fiz de 2007 a 2010)…mas, se eu não tentar, jamais vou conseguir né?! obrigada por partilhar tua experiência! é um exemplo de determinação que deve ser seguido! parabéns! um dia quero ter meu nome na lista de aprovados também! abraço!

    1. Poxa, Jordana, que bom que te deu incentivo 🙂
      Fico realmente feliz.
      E é isso aí, não desista nunca mesmo! Só os fracos desistem e, com certeza, você é uma pessoa forte. Veja só, nesta prova que foi uma das mais difícieis da 1ª fase do Exame de Ordem (se não a mais), você passou! Isso quer dizer que você teve um bom conhecimento e, somando esse conhecimento com mais estudos, para o próximo exame você passa tranquilamente.
      Estarei torcendo por você, tenha certeza 🙂

  5. Daiane

    Hugo, vc tem as provas de Ordem 2010.1 e 2010.3, será que vc pode me passar, pois não estou conseguindo encontra-las.
    Obrigada!

    Abraço.

    Ass: Daiane B. Hasmann.

  6. Josie

    Hugo parabéns pela aprovação!

    Sou aluna do 10 semestre e fiz esse penultimo exame ,fui aprovada na primeira fase e reprovada na segunda – Penal.
    Desanimei bastante e resolvi agora pensar apenas no termino do meu curso,tcc, pasta de estagios e provas finais,no px semestre volto a pensar na prova.
    Mas ler o seu depoimento me fez ter esperança..OBRIGADA!!

  7. astrogildo campos

    Tô desanimado, após reprovar 4 vezes na primeira fase sinto que não sou capaz. Não consigo sequer passar da primeira fase

    1. Astrogildo, meu caro, eu reprovei duas vezes, fui passar só na 3ª. Conheço uma (hoje, colega) moça, que fez pós comigo, que fez NOVE VEZES, e passou.

      Meu caro, a causa de frequentes reprovações podem ser muitas. Procure um psicólogo para te ajudar na questão emocional, que eventualmente pode ser o caso.

      Porém, é claro, focar no estudo de maneira correta é muito importante. Não desanime, sei como é difícil, mas hoje sou advogado há 5 anos já e estou muito feliz com o caminho que resolvi trilhar.

      Que Deus te abençoe e te dê o ânimo necessário para que você se reerga desta situação.

      Lembre-se, minha conhecida reprovou NOVE vezes, tem noção?

      Tudo é possível, meu caro. Você fez Direito e está apto a passar no Exame. Veja o que está causando sua reprovação e tente matar o problema ou, ao menos, minimizá-lo.

      Forte abraço!

Olá, não estou mais respondendo comentários por aqui. Acesse: www.hugo.adv.br www.edgardmedeiros.com.br www.instagram.com/edgardmedeirosadvogados/ www.facebook.com/EdgardeMedeirosAdvogados/ www.youtube.com/channel/UC6U25Xj3nYYz-MuWV7TMq4w

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s