Princípio da Presunção de Inocência e a Sentença Social: a falta de educação generalizada.

Em minha cidade, Campo Grande – MS, um pai de santo é acusado de estuprar a filha de 5 anos e mais duas crianças. A casa dele foi incendiada ontem.

De fato, não conheço a realidade do bairro onde ele mora(va). Não sei se os moradores da região sabiam que ele era pai de santo, não tenho informações. Mas, interessantemente, dá para notar a sentença social: a sociedade já deu parte da pena ao pai de santo: queimou sua residência.

 https://i2.wp.com/s.glbimg.com/jo/g1/f/original/2011/07/05/paisanto_queimada_.jpg

(imagem do porta g1/MS)

Me pego pensando: imagine só se essa pessoa, ao final de seu devido processo penal, é declarada inocente? Como fica a casa do sujeito? Seus poucos móveis? Entendam: eu não estou com dó desta pessoa, mas, querendo ou não, queimar a casa dele, definitivamente, não é justo (esta palavra que é tão relativa).

Em nosso Estado, Democrático de Direito como o é, apesar de todo romantismo que se tem em volta, há um Princípio, com “P” maiúsculo, que rege todo o processo penal: o da Presunção de Inocência, segundo o qual ninguém pode ser considerado culpado antes do trânsito em julgado de sua sentença penal condenatória. Sobre a dignidade da pessoa humana, nem preciso falar disso, não é mesmo?

Por outro lado, a sociedade, leiga, pobre, carente e sem educação (escolar e moral), não sabe disso. Não sei bem se deveria saber, em verdade.

No entanto, no final das contas (leia-se: sentença penal transitada em julgado), não se sabe se o homem é ou não inocente, é, ou não, culpado.

Então vem a pergunta: e se? E se ele for considerado inocente? Quem vai indenizá-lo? E se ele for considerado culpado, quem vai indenizá-lo por sua casa destruída?

Não quero, aqui, defender uma ideia (ou um ideal) romancista da sociedade, em que esta deveria conhecer de princípios constitucionais e respeitá-los, mas, sinceramente, quem queima a casa de uma outra pessoa, seja ela quem for e, em qual situação jurídica estiver, é tão criminoso quanto quem cometeu qualquer outro crime, pois, afinal, inclusive, tal conduta está também tipificada em nosso sistema jurídico-penal (art. 163, II, Código Penal, isto, se não configurar crime mais grave).

Portanto, finalizando, em qualquer situação, a sentença social não deve acontecer, em face do Princípio da Presunção de Inocência, instituído e positivado em nossa Constituição Federal (art. 5º, LVII), uma vez que corre-se se um risco gigantesco de “não compensar” tal dano à vida do pretenso condenado e, ao extremo, não vale a pena danificar o bem jurídico daquele que está em vias de ser processado criminalmente, por qualquer motivo que seja, pelo simples fato de sermos seres humanos. É a falta de educação generalizada…

E claro, se realmente, ao final de todo o processo, tal agente vir a ser condenado, aí sim, justo é a aplicação de uma pena, de uma sanção imposta pelo Estado, que deverá ser cumprida. Repito: pelo Estado, e nunca pela sociedade, pois a esta não foi dada a toga e o direito de julgar ninguém (exceto no Tribunal do Júri, por óbvio).

         Um abraço,

         Do amigo

         Hugo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s